Deputados do MpD: “Não estamos satisfeitos com o OE 2018”

1460

Os deputados do MpD eleitos por São Vicente não estão satisfeitos com a proposta de Orçamento de Estado–2018, sobretudo no que tange aos recursos que vão ser canalizados para a chamada ilha do Porto Grande, assegurou João Gomes no balanço de uma visita ao círculo feito à imprensa. A proposta apresentada pelo Governo, diz, está longe daquela que os eleitos por Mindelo gostariam, realçando no entanto que as ilhas “não estão numa corrida de estafeta”. Dito isto, prometeu lutar para que S. Vicente e a sua população tenham o melhor possível.

O deputado começou por lembrar que ainda não há orçamento, mas sim uma proposta. É por isso, aliás, que os eleitos nacionais estão a visitar os círculos e a ouvir as sugestões e preocupações das pessoas. Mesmo assim, é certo que até os deputados do partido do poder não estão satisfeitos com o documento. “Nunca estaremos satisfeitos. Tudo aquilo que puder vir para São Vicente tem em nós defensores ontem, hoje e sempre. Somos defensores da causa São Vicente. Esta proposta está longe de ser aquela que gostaríamos de ter”, salienta o porta-voz João Gomes.

Este aproveitou, no entanto, para explicar que as ilhas não estão numa corrida de estafeta, isto é que elas não estão a competir entre si. “São Vicente não está numa competição, mas os representantes desta ilha têm de lutar para que a sua população tenha o melhor possível”, realçou Gomes, que aproveitou para apontar alguns projectos que não estão no orçamento, caso da requalificação e asfaltagem da estrada Mindelo-Baía das Gatas, mas que o Primeiro-ministro garantiu que vai acontecer em 2018.

Outros projectos previstos para o próximo ano são a requalificação e correção torrencial da zona da Baía das Gatas e da orla marítima, mais precisamente da praia da Lajinha, Avenida Marginal até à zona do Campim. Na mesma linha cita o Terminal de Cruzeiro, uma ideia com muitos anos, mas que pela primeira fez consta no OE. Sobre esta obra, Gomes garante que recebeu garantias da direcção da Enapor de que os trabalhos já vão começar, com a dragagem e construção do caís, que é a parte que cabe a Cabo Verde. “Mas é bom não esquecer que estamos a atravessar um ano difícil de seca, logo temos de apostar mais na vida das pessoas do que no betão”, pontua.

MpD e PAICV com visões opostas

Os deputados do MpD foram confrontados com várias das preocupações sobre o OE levantadas ontem pelo PAICV. Por exemplo, em relação à Câmara do Comércio, Gomes começou por dizer que a direcção desta agremiação empresarial mostra-se satisfeita porque o documento reflecte as suas preocupações, em clara discordância com o que foi dito pela oposição. Sobre este particular, João Gomes garante que limitou a transmitir aquilo que lhes foi dito pela Direcção da CCB. Aliás, foi por isso que chamou atenção para a demora na implementação do acordo celebrado entre as Câmaras do Comércio e do Turismo e o Governo relativo a transferência de algumas competências, uma questão que vão discutir com o Executivo.

Sobre os atrasos na implementação das regras e regulamentos da IMO (Organização Marítima Internacional) e do STCW (formação segurança naval), que alegadamente podem deixar os marítimos em terra, Gomes garante que é uma falsa questão. “Não há nenhum problema quanto à implementação das regras e regulamento da IMO e da STCW. Esta informação nos foi dada pelo Departamento de Engenharia da UniCV. Ainda nenhum marítimo teve problemas por causa da não implementação destas medidas”, frisou, reconhecendo apenas algum atraso na formação de 60 horas, neste caso um problema dos armadores, algo alheio ao Governo.

Quanto a possíveis constrangimentos devido a ausência de um laboratório para certificar o pescado, os deputados prometem inteirar-se da questão antes de qualquer posicionamento. Gomes garante, entretanto, que não será por falta de laboratório que Cabo Verde e São Vicente em particular vai deixar de exportar. “Não será por não funcionamento do laboratório que iremos deixar de exportar. Não ficaremos sossegados enquanto esta questão não for resolvida. Não podemos cair no laxismo”, promete.

Durante esta visita, os deputados do MpD estiveram ainda na Câmara Municipal de São Vicente, na Alfândega do Mindelo e na Enapor, onde dizem ter sido surpreendidos pela positiva, ou seja, “está tudo cor de rosa” por essas bandas.

Constânça de Pina

(Visited 1.481 times, 2 visits today)