“Parlamento”: uma praceta onde jogos da Bisca e Uril misturam-se com a “política”

390

“Parlamento” é um dos pontos de encontro mais conhecidos da cidade do Mindelo, onde a “política” circula-se à vontade por entre os jogadores de Bisca e Uril, da manhã à noite. Trata-se de uma praceta localizada na parte traseira da igreja de Nossa Senhora da Luz, próximo ao Tribunal de São Vicente, e que diariamente é frequentada por pessoas da terceira idade em busca de momentos de descontracção e para colocar a conversa em dia.

Ter uma praça no coração do Mindelo como este nome é inusitado, mas este baptismo deve-se ao facto de ser um espaço onde se discute os temas quentes da sociedade cabo-verdiana. Na boca desses “deputados na reforma” nenhum assunto passa despercebido, nem mesmo a manifestação do Sokols, o jogo Mindelense-Derby, a situação socioeconómica da ilha de S. Vicente, o preço dos combustíveis, a fartura no mercado de peixe de Mindelo…

Januário Fonseca é um dos “deputados” que frequenta esta praça desde que ela foi inaugurada e diz que o “Parlamento” é como se fosse a sua segunda casa. “Estar aqui é divertido”. “As pessoas chegam e conversam umas com as outras. Aqui falamos sobre todos os assuntos, como o desporto e a política. Mas há sempre discussões acaloradas por causa de opiniões diferentes, mas nada que ultrapasse os limites de uma boa convivência”, afirma este reformado de 76 anos.

Apesar de falarem muito sobre a política cabo-verdiana esses “deputados” preferem resguardar as suas opiniões. Isto porque, não obstante terem o interesse por esse assunto, falam da política como um “fait divers”, nunca com a intenção de fazer chegar as suas preocupações aos verdadeiros decisores do país. “Nós já temos idade avançada e não queremos problemas. Falamos da política apenas para nos divertir. Até porque sabemos que as nossas opiniões não chegam aos verdadeiros políticos”, enfatiza José Silva, 67 anos, outro frequentador assíduo da praça.
As principais atracções do Parlamento são na verdade os jogos de uril, bisca e “tchintchon”. É uma partida e outra que acontecem as disputas mais quentes. Hora porque um escondeu um grão de uril, hora porque outro diminuiu as cartas do baralho. Tudo serve para ludibriar o adversário e ganhar o jogo, segundo António Dias. “Há sempre desentendimentos por causa dos jogos e as pessoas fazem muito barulho. Mas, como a maior parte das pessoas aqui são reformadas, esses jogos nos divertem bastante e ajudam-nos a passar o dia”, acrescenta este sãovicentino. Tudo isso faz com “Parlamento” seja um símbolo de lazer, um espaço onde as pessoas buscam o convívio e o descanso.

Carina David

(Visited 394 times, 1 visits today)