“Tchindas” fotografados por belga: a rotina de três gays na cidade do Mindelo

1042

Tchinda, o gay mais famoso de Cabo Verde, voltou a chamar a atenção de profissionais europeus interessados em abordar o tema da homossexualidade masculina em Cabo Verde, em particular na ilha de S. Vicente. Durante cinco dias, a fotógrafa belga Catherine Rombuts acompanhou de perto a rotina diária de Tchinda e as “amigas” Luna e Jessica para um trabalho que, conforme soube Mindelinsite, será apresentado na cidade do Mindelo, em data ainda não divulgada.

“Já estamos acostumados com esse tipo de interesse do pessoal que vem da Europa para abordar a questão da LGBT em Cabo Verde. Para nós trata-se de mais uma experiência que vai ajudar a divulgar a causa da comunidade gay em S. Vicente porque o resultado das sessões fotográficas será apresentado numa exposição”, comenta Tchinda. No referido trabalho, Catherine Rombuts acompanha de perto a vida quotidiana dos três homossexuais no seio da família, nas suas relações sociais e momentos de lazer, com o intuito de mostrar a vida real e descomplexada desses protagonistas.

Para Thinda, essa exposição será mais um passo no reforço da luta da comunidade gay em prol de um tratamento humano e social mais digno em Cabo Verde. Como diz, há anos que vêm enfrentando os preconceitos da sociedade e hoje, depois de muita discriminação suportada, os gays conquistaram um certo respeito. “Há cada vez mais homossexuais saindo do ‘armário’, como se costuma dizer, e tenho dado o meu apoio sempre que possível”, revela esse homossexual, que viu o seu nome atribuído ao documentário “Tchindas”, realizado pelos espanhóis Pablo García e Marc Serena e que já venceu dez prémios em oito festivais desde que foi estreado em Junho deste ano. Um filme que mereceu o elogio da revista The Hollywood Reporter, que o considerou um “documentário fantástico que mostra uma crónica real dos preparativos do Carnaval em S. Vicente.”

O sucesso dessa película abriu, segundo Tchinda, algumas portas aos homossexuais cabo-verdianos e muito em particular à sua pessoa. Esse gay mindelense esteve nas Canárias e Estados Unidos da América durante a apresentação do documentário e recebeu dois dos prémios atribuídos ao filme. Em breve Tchinda deve regressar à América, mas nega por enquanto levantar o véu.

KzB

(Visited 1.063 times, 1 visits today)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here