Saúde mental dos bombeiros: Turbulências que requerem Urgências

525

Por: Anilton Andrade

Um bom ambiente de trabalho nos Quartéis dos Bombeiros em Cabo Verdedeverá nortear-se por relacionamentos humanos agradáveis, com outras atividades para além do socorro às vítimas, que sejam motivadoras e eliminem possíveis fontes de estresse, num estilo de gerência democrático e participativo, com foco não só nas máquinas mas sobretudo na pessoa do Bombeiro, não só como profissional como do ponto de vista humano.Um ambiente de trabalho que crieespaços de escuta, que propicie reflexões, avaliações e intervenções precoces acerca dos eventos traumáticos, das vivências dicotómicasde prazer e sofrimento no trabalho dos bombeiros.

Infelizmente em Cabo Verde não encontramos estudos dedicados a esta classe que incidam sobre as relações entre a Saúde em geral e o trabalho ingrato que os bombeiros desempenham. É tempo para que a tutela dos bombeiros comece a fomentar nas universidades investigações neste âmbito, políticas que cuidam de quem tem por missão sublime cuidar/salvar pessoas e bens alheios.

No contexto internacional pode-se citar algumas pesquisas relacionadas ao transtorno por estresse pós-traumático nos bombeiros, de autores como Koniarek e Dudek (2001); Regehr; Hill e Glancy (2000); Corneil et all (1999); Wagner,Heinrichs e Ehlert (1998); os quais encontraram maior prevalência de transtorno por estresse pós-traumático nos bombeiros do que na população em geral.

Há situações que, mesmo não estando diretamente ligadas a emergências, têm um peso determinante no estresse do Soldado da Paze na regulação do seu grau de ansiedade. Refiro-me, concretamente, aos aspetos relevantes encontrados por discentes de Psicologia na elaboração de trabalhos académicos sobre o empoderamentodosbombeiros,o que está muito ligado ao respeito, à integridade, ao sentimento de pertença, ao reconhecimento, à valorização interna dos profissionais, à satisfação pessoal em ajudar o próximo, ao bom relacionamento entre colegas de trabalho e à estabilidade profissional, entre outros.

Outra dimensão a considerar é a valorização dessa categoria profissional pela sociedade. Embora esta valorize muito os bombeiros, ao mesmo tempo ela é castradora, porque muitas vezes os recrimina e condena por um salvamento sem êxito. A demora de algum atendimentosempre é interpretada como falha profissional e não como uma situação que pode fugir do seu controle, tal como, por exemplo, o trânsito, meios humanos ou materiais, etc.

Creio ser justo pedir oacompanhamento psicológico dos bombeiros, não só para efeitos de inspeção anual, mas através de Gabinetes de Apoio Psicológico nos Quartéis, durante os períodos normais e fora destes, ou no âmbito de intervenção em crise. Essa necessidade prende-se com o facto não só dos soldados da pazestarem emocionalmente bem capacitados para respostas céleres, bem como para criarem mecanismos de coopinge enfrentamento de situações difíceis.

Pode, naturalmente, predominar a objetividade no exercício das suas funções como defensores de vidas humanas (como prioridade número um) versusprotetores de bens alheios,mas há também que levar em linha de conta as conversões somáticas e o sofrimento psíquico aos quais esses heróisestão expostos.

Nesse sentido, é de realçar a extrema importância de se oferecer um suporte emocional para lidar com essas vivências e situações traumáticas,que tanto poderia acontecer através de um acompanhamento ou atendimento psicológico individualizado, como mediante um grupo de apoio.

De acordo com os pontos apontados acima, fica evidente que o bombeiro está facilmente exposto a situações que propiciam algum tipo de sofrimento que pode potencialmente influenciar ou prejudicar a sua qualidade de vida, e por isso, um auxílio psicológico pode contribuir muito como suporte, a fim de poder aprender a criar estratégias e mecanismos para lidar com estas situações.

Finalizo observando que o trabalho dos bombeiros pode ser simultaneamente uma fonte de prazer e sofrimento, provocando uma dicotomia que é norteada pela constante inquietação e dilema destes na busca constante do prazer, por um lado, e na evitação do sofrimento por outro, objetivando, assim, manter o seu equilíbrio psíquico.

Essa dinâmica é responsável pela Saúde Mental, sugerindo que não é a simples existência do prazer ou do sofrimento o indicador de Saúde, mas a quantidade e qualidade de estratégias que podem ser utilizadas pelos sujeitos para fazer frente às situações que causam sofrimento, e transformá-las em situações geradoras de prazer. Nisto, o trabalho destes gabinetes de apoio psicológico reveste-se de um papel crucial, atuando noscuidados primários de Saúde.

 Psicólogo Clínico e da Saúde / Membro da BUSF-CPLP (Bombeiros Unidos Sem-Fronteiras) Bombeiro Aeronáutico e Municipal

(Visited 765 times, 2 visits today)

2 COMENTÁRIOS

  1. É com imenso agrado ter lido todo esse grandioso teste ,deu-me para captar algumas partes mesmo interessante ,mas vou tornar a ler sempre que poder . Porque tem contiudes muito importante para quem que está iniciar uma vida de ( soldado da paz ) despesso com um muito obrigado abraço irmão

  2. É com imenso prazer que leio o texto,tudo foi dito ou quase tudo,em cabo verde os bombeiros são discriminados marginalizados pelos próprios governantes…É com muita pena e profunda tristeza q digo isso…asveses penso serra q algum dia vamos ser reconhecidos … Um abraço e muito obgd pelo texto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here