A ética entre religiões e filosofias

95

Diante da pluralidade de morais, a reflexão ética como pesquisa torna-se necessariamente mais ativa. Revela-se até indispensável na medida em que, numa sociedade em vias de globalização, trata-se de inventar a coabitação de vários sistemas de valores que em outras épocas se ignoravam uns aos outros e tinham poucas ocasiões para se confrontar no cotidiano.

 [Roger-Pol Droit]

Por: Arlindo Nascimento Rocha*

Os debates sobre ética, religião e filosofia multiplicam-se, as argumentações proliferam, porém, os pontos de partida e os fundamentos das questões são esquecidos e até ignorados. Em sua obra  Ética: uma primeira conversa, o filósofo, escritor e pesquisador, Roger-Pol Droit, especificamente no terceiro capítulo explora o tema em suas várias vertentes, que nos permite ter um olhar diferenciado, através de um texto breve, mas recheado de detalhes, que nos permite um olhar de curiosidade, pois, relacionar ética, religião e filosofia, não se configura como um tema simples, mas, a simplicidade da explicação proposta por esse pensador, torna o texto leve e agradável, para ‘uma primeira conversa’, sobre ética.

Segundo Droit, a preocupação com a ética anima todas as correntes religiosas e as escolas filosóficas. Portanto, essa preocupação segue diversas perspectivas, em todas as épocas e em todos os grandes sistemas. Mas, ao recuarmos no tempo encontramos na antiguidade clássica, o grego Zenão de Cítio, fundador do estoicismo, o primeiro a propor a divisão da filosofia em três partes principais: física, lógica e ética. Outra referência foi Hipócrates, que além de médico, também foi filósofo. E, por ter em suas mãos a vida de seus pacientes, ele precisou definir seus deveres, estabelecer regras para não abusar da fraqueza dos mesmos. Mas, no século XVII, o filósofo Espinosa em sua obra intitulada Ética, elabora um sistema de mundo, para explicar como viver a vida mais perfeita possível.    

No inicio do capítulo III da obra citada, Droit elenca uma série de questões, a saber: Onde se encontram as grandes disposições éticas? Nas religiões do mundo? Nas obras dos filósofos? Segundo ele, nos dois, entretanto, ele salvaguarda que é preciso entender os pontos comuns e as diferenças entre moral religiosa e moral leiga, ética da religião e ética da filosofia, já que as questões podem ser sempre as mesmas, mas as respostas são muito diferentes. Para que, efetivamente possamos entender os pontos comuns e as diferenças, Droit sugere que, em primeiro lugar é preciso ver que elas se dividem em grupos, por isso, ele elabora três esquemas fundamentais, pois, segundo o mesmo, esses esquemas permitem uma visão mais clara.

Segundo ele, procurar de onde vem à ética seria um bom ponto de partida! Porém, essa questão pode suscitar várias dúvidas, pois, ela pode querer dizer: a) Qual a origem dos valores morais que tentamos seguir? b) De que maneira sabemos o que devemos fazer? c) Como conhecemos o que chamamos de bem e de mal? E, finalmente, mas, não menos importante, d) De onde vem a ética? Respondendo a última questão, podemos efetivamente afirmar que vem do grego ethos, porém, segundo nosso autor, é difícil exprimir o que significa essa expressão para os gregos na antiguidade! Com efeito, ethos pode significar “hábitat” (maneira de uma espécie animal habitar o mundo), pode significar ainda, caráter de uma pessoa, costumes ou maneiras de comportar-se numa determinada sociedade. Mas a pergunta que não quer calar é: afinal, do que se trata a ética? Segundo ele, de todos os nossos atos, desde as pequenas ocupações às grandes decisões.

Droit, afirma que, para que possamos entender e responder com propriedade a questão: De onde vem a ética?, precisamos reconhecer que há três grandes tipos de respostas para essa mesma pergunta: a primeira resposta considera que os valores morais (o bem, a justiça, a honestidade, a solidariedade, etc.) existem por si sós, uma vez que, não foram criados pelos homens e, por isso, existem independentes da vontade do homem; a segunda resposta consiste em dizer que os valores morais são frutos da nossa realidade, portanto, eles não se encontram além-mundo, ou seja, fazem parte da realidade terrestre e são provenientes de realidades naturais e humanas e não necessariamente de uma ordem divina; e finalmente, a terceira resposta é diferente das anteriores, pois, consiste em dizer que, nenhuma ética existe por si só, quer seja divina ou terrestre, uma vez que, os seres humanos em cada sociedade, época, cultura criam os suas normas e valores morais.

A primeira resposta encontra-se nos pontos de vista dos religiosos, já que os valores formam criados e transmitidos aos homens por Deus. Para os judeus, foi Deus quem entregou a Moisés as Tábuas da lei, com os dez mandamentos; para os cristãos, foi Deus que enviou Cristo para falar em Seu nome para falar numa moral eterna, fundada no amor e no perdão; para os muçulmanos, foi Deus que transmitiu a Maomé, que transcreveu no Alcorão as regras morais que os mesmos deveriam obedecer. Portanto, nas religiões, segundo Droit, é sempre Deus quem criou as regras morais e a ética e os transmitiu aos homens.

Contudo, a grande questão, é se esses pressupostos descritos são diferentes para os filósofos, tendo em conta que, para alguns deles mesmo não acreditando em Deus, acreditam que as ideias da ética não foram criadas pelos homens. Platão (séc V a. C), por exemplo, defendia que as ideias do “bem do belo, da verdade” existem no mundo das Ideias, como ideias supremas que ilumina todas as outras, no mundo habitado pelos homens, que são apenas imagens imperfeitas refletidas a partir de modelos absolutos e perfeitos. De certa forma, o pensamento platônico compartilha uma concepção comparável à das religiões reveladas. Em ambos os casos a moral e a ética não são fundadas pela imaginação dos homens nem criadas por regulamentações culturais. Portanto, nessa perspectiva os valores da ética são realidades que existem por si sós, em seu mundo próprio: para as religiões, é o espírito de Deus, para Platão, é no mundo das ideias, por isso, os humanos não são os autores das leis morais. Respondendo a questão “de onde vem a ética?” a resposta é objetiva, “ela não vem dos seres humanos”.  

Para a segunda resposta onde se encontra a ideia de que a ética vem da natureza, podemos usar como exemplo as ideias defendidas por Jean-Jacques Rousseau (séc. XVIII), que defendia que os princípios morais falam de forma espontânea ao nosso coração e a nossa sensibilidade. Para ele, o principal móvel da ética é a piedade, que é um sentimento espontâneo. Essa ideia também é partilhada pelo filósofo chinês Mêncio e Schopenhauer.

A terceira resposta é aquela que acredita e defende que os homens sozinhos criaram a ética, tendo em conta que, a convivência social proporcionou a criação de valores num mundo inicialmente desprovido de valores. Assim, segundo essa visão, são os homens que forjam um sentido para uma realidade por si mesma insensata. Essas ideias, de acordo com Droit, são corroboradas por Jean-Paul Sartre, ao afirma que “decidimos sozinhos e sem desculpas”, ou seja, cabe ao homem criar suas próprias regras de ação, uma vez, que para ele, o homem está condenado a ser livre. Outro pensador que tem posição próxima a de Sartre é Albert Camus. Segundo ele, o mundo e a existência são desprovidos de significado por si sós. Por isso, os homens criam uma norma ética para fugir do horror da violência, da arbitrariedade, da dominação e da servidão.

A lição que podemos tirar dessa pequena exposição, é que a ética atravessou séculos, perpassou por diferentes crenças religiosas, correntes filosóficas, chegou até nós, mas os velhos problemas ainda continuam sendo objetos das mais profundas reflexões. Atualmente são inúmeras as áreas que se preocupam com a ética: nos negócios da vida financeira, no esporte, mídias sociais, relações internacionais, família, aborto, etc. ela nos convida à preocupação com os outros e nos chama a ser responsáveis como eles, portanto, todos nós estamos inscritos nessa abertura, impossível de ser fechada, que aprofunda as relações humanas.       

*Doutorando na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Bolsista CAPES).

Sugestão de leitura:

DROIT, Roger-Pol. Ética: uma primeira conversa. – São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here