À mulher de César não basta ser séria, tem de parecer séria

379

Por Adriano Lima

Quem proferiu a afirmação grafada em título foi Caio Júlio César por volta de 60 anos a. C., referindo-se precisamente à sua esposa Pompeia Sula. A velha máxima cruzou milénios e permanece inteiramente válida, e não poucas vezes é evocada quando está em causa a transparência cristalina de actos e procedimentos de detentores de cargos públicos.

Se isto vem a propósito é pela minha estranheza de ver rebentar com pólvora reforçada e renovada, no
fervor da campanha eleitoral em curso em Portugal, o foguetório judiciário relacionado com os processos do “Roubo de Tancos” e das “Golas antifumo”. É que os dois processos, uma vez relançados com veemência mediática nesta altura precisa, só podem visar a imagem do actual governo e a cotação eleitoral do partido que o suporta, independentemente de eventuais culpabilidades que venham a ser apuradas ou de sentenças condenatórias que possam ser decididas em tribunal.

Como a política é uma arte pródiga no culto das aparências, embora muitas vezes fruto de manipulação e
mistificação, o quadro que se me apresenta é que me permite aquela dedução. A dúvida pode, no entanto,
colocar-se, mas só porque o pudor cívico me inibe de cair em julgamentos precipitados sobre as intenções de outrem, mormente de um órgão como o Ministério Público. Porém, não se confunda reserva mental com
ingenuidade pacóvia.

É certo e sabido que a Justiça tem os seus próprios timings, mas é intrigante ver tão certeira pontaria na
escolha do actual momento. Não se pode mobilizar no meio de uma campanha eleitoral mais de 200 agentes de
investigação criminal e operadores judiciários em direcção a gabinetes e residências de governantes e titulares de cargos públicos, sem que na opinião pública logo se instale a desconfiança de que os visados são capangas do crime organizado. Tanto mais quando haverá certamente casos bem mais graves a requerer prioridade, celeridade e acutilância na acção da Justiça.

Com efeito, ligando as pontas − a exorbitância dos meios, o critério da gestão das prioridades e o timing escolhido – é impossível não admitir que podemos estar perante a interferência indirecta em campanha eleitoral de um órgão do Estado que, não curando da isenção e equidistância no exercício do seu múnus, parece ter
mandado às urtigas a prudência e o recato que a circunstância recomendaria. Sim, o bom-senso teria
recomendado outra calendarização da agenda da Justiça, regulando-a em função do período eleitoral. É cedo para saber se o foguetório vai influenciar ou não as intenções de voto, porque a girândola não ainda parou o seu movimento. Caberá ao eleitorado discernir o que é espectáculo luminoso de pólvora multicolor e o que é acção governativa real e concreta, diferenciando-a mesmo do ocasional desempenho “artístico” dos
líderes políticos no proscénio dos debates televisivos ou nas arruadas.

Todavia, poderá dizer-se que o principal partido da oposição e os interesses que representa não caberão em
si de contentes por tão providencial empurrão recebido. Resta é saber se já contavam com ele ou se tudo lhes
foi oferecido de bandeja. Mas isso seria entrar em domínios nebulosos, meandros onde não penetra quem se limita a conjecturar, não abdicando do direito de pensar. E a conjectura tem a amplitude que a nossa memória retrospectiva lhe consentir. Leva, por exemplo, e numa análise comparativa, a interrogar por que casos bem graves que comprometiam as pessoas do anterior primeiro-ministro (o da Tecnoforma) e do seu ministro da defesa (o dos Submarinos) nem sequer afloraram na última campanha eleitoral, quanto mais objecto de
procedimento judicial em sede própria. Foram simplesmente arquivados, apesar dos indícios e até de elementos carreados de instituições da União Europeia. Ou há dois pesos e duas medidas diferentes para casos
semelhantes ou o objectivo é tentar inviabilizar, a todo o custo, a reedição da solução governativa que resolveu
os problemas do país sem se subordinar fielmente à lógica do mercado unificador e tendencialmente totalitário.

É evidente que situações desta natureza têm de suscitar especulações sobre a linearidade da conduta de
certos poderes ou individualidades do sistema judiciário. Disso, o melhor barómetro são as redes sociais, em cujo espaço as opiniões se esgrimem e diferenciam conforme as preferências partidárias, mas onde sobressai o saldo de um grosso sentimento popular de desconfiança em relação ao sistema judiciário. Aliás, essa percepção é corroborada pela opinião abalizada e sustentada de políticos, juristas, magistrados, sociólogos e cidadãos comuns, que convergem quanto à necessidade de uma inadiável reforma da Justiça.

É neste contexto que amiúde se questiona a existência de organizações sindicais de magistrados, principalmente a do Ministério Público, uma vez que o sindicalismo dá azo a que o partidarismo político se instaure no seio da magistratura, comprometendo a autonomia absoluta por que ela se deve reger na sua função soberana. É aqui que muitas dúvidas e interrogações se têm levantado. A título de exemplo, o porquê das sistemáticas e recorrentes violações do segredo de justiça e fugas de informação dentro do aparelho judiciário em proveito de certos
órgãos de comunicação afectos a uma determinada ideologia política, sem que até hoje se tenham apurado
responsabilidades.

O processo Marquês foi paradigma das mais torpes violações e até de comportamentos de operadores judiciários que deixaram muitas dúvidas sobre o que é trâmite processual da justiça e propósito de achincalhamento público de um ex-governante.

Em nenhum Estado de direito democrático é desejável a judicialização da política e, inversamente, a politização da justiça. Menos ainda a partidarização política dos actos da justiça. Os políticos são eleitos pela nação para, em sede parlamentar, produzir as leis com que o Ministério Público e os Tribunais têm de lidar na
governança da justiça. Além de eleitos pelo povo, os políticos são continuamente escrutinados em todo o seu mandato, sujeitando-se a devassas constantes da sua vida pessoal e familiar e a julgamentos na praça pública,
antes de o serem em tribunal quando é caso disso. Os magistrados estão imunes a qualquer espécie de escrutínio externo, vivendo numa autêntica redoma, mas em troca a nação exige-lhes requisitos cívicos, morais e psicológicos a toda a prova e uma consciência livre, impoluta e inviolável no exercício da sua função
soberana.

Com a revolução de Abril de 1974, todas as estruturas do Estado e da administração pública foram viradas do avesso, passadas a pente fino. Excepto a Justiça, como é sabido. Até os juízes servis e que abdicaram da sua
honra pessoal e princípios deontológicos nos célebres tribunais plenários, passaram misteriosamente por entre
os pingos da chuva ácida que encharcou então a cena pública nacional. Não há memória de algum ter sido
julgado ou sequer saneado por conduta indevida, tendo todos prosseguido as suas carreiras normais. É como se
algum atavismo intergeracional não tivesse sido estancado em tempo devido.

Ora, o líder do PSD tem toda a razão em inscrever na sua agenda política uma reforma da Justiça, e não é
minimamente compreensível que o do PS tenha uma opinião diferente. É bom que ele abra os olhos porque
poderá ser tarde se tiver de concluir que afinal a mulher de César não só não “parece” como pode não “ser” tão
séria quanto devia por causa de algumas más companhias na sua corte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here