Congresso do PTS em S. Vicente: Médico Gilson Alves pode ser novo presidente do partido

325

O congresso do PTS agendado para este Sábado na cidade do Mindelo deverá culminar com a escolha do médico Gilson Alves para presidente dessa organização política fundada por Onésimo Silveira. A um dia do evento, Alves é candidato único à liderança do Partido do Trabalho e Solidariedade, ele que está também à frente da organização do congresso com o claro objectivo de “revitalizar” essa força legalizada no ano 2000, mas que caiu no marasmo nos últimos anos.

A expectiva da organização, segundo Gilson Alves, é encher o auditório Onésimo Silveira, na Universidade do Mindelo, mas a verdade é que continua uma incógnita a quantidade de delegados que irão comparecer. Isto porque, como explica essa fonte, foi difícil entrar em contacto com fundadores, e em particular com militantes do partido na cidade da Praia, e alguns nem se dignaram confirmar a presença nesse importante encontro.

Bastante entusiasmado com a possibilidade de o PTS regressar ao combate político, Gilson Alves promete “milagres” se for colocado no comando do partido: fazer do PTS a força política melhor organizada em Cabo Verde e atingir 150 mil votos nas próximas eleições legislativas. “Estou confiante na minha capacidade, mas sei que não posso fazer tudo sozinho. O partido terá uma estrutura funcional mais leve, pelo que será preciso rever os Estatutos”, elucida Alves. Caso vença as eleições, tenciona sedear a direcção de novo na cidade do Mindelo, depois de ter sido deslocalizada para a cidade da Praia durante a presidência de José Augusto Fernandes. Para Alves, Fernandes terá feito o que estava ao seu alcance para manter o PTS activo, mas o momento, diz, é de uma nova viragem no destino da organização.

“O PTS é o único partido no qual me revejo. Um dos princípios que defende, e apoio, é um Estado descentralizado”, realça este defensor dos ideais de Amílcar Cabral e que, como tal, promete concretizar o sonho desse antigo líder africano, que é conceder a Cabo Verde uma real independência em todos os domínios. “A tendência do actual Governo é outra, isto é, promover a neocolonização da nossa pátria pelo capital estrangeiro. Vejo pessoas muito limitadas, que além do mais estão a instituir uma cultura inacreditavelmente antipatriótica de venda (ou doação) de todos os nossos meios de produção a espanhóis. Apenas o espírito patriótico é suficientemente forte para contrabalançar esta nova postura anti-soberania”, critica Alves, que exemplifica essa suposta postura anti-soberania com a aposta crescente no turismo de massa hoje muito presentes nas ilhas do Sal e da Boa Vista.

Gilson Alves mostra-se convicto da reactivação do PTS a partir deste Congresso, ainda mais se a sua lista for legitimada para pensar e dirigir o partido. A sua moção de estratégia já está pronta a ser submetida aos congressistas amanhã à tarde no auditório Onésimo Silveira, inserida num projecto de candidatura idealizado a partir do slogan “Sonhar o impossível”.

Kim-Zé Brito

(Visited 491 times, 1 visits today)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here