Crimes e acidentes na Bolívia, EUA e Rússia provocam quase cem mortes

121

Um homem armado matou hoje quatro pessoas em dois locais diferentes em Kentucky, nos Estados Unidos, antes de morrer não se sabe se atingido por outra pessoa ou por suicídio. A polícia recebeu o primeiro alerta eram cerca das 16h (hora local) através de um telefonema relatando disparos numa casa numa zona rural a cerca de 160 quilómetros de Louisville, a maior cidade do estado, disse no Facebook o xerife responsável, Dwayne Price.

No local, a polícia encontrou dois mortos e começou buscas para encontrar o autor dos disparos. Uma segunda chamada para o número de emergência levou os investigadores a um apartamento em Paintsville, onde estavam três pessoas mortas a tiro, incluindo o que se pensa ser o autor dos homicídios. “Foi uma horrível sucessão de assassínios”, comentou Price, para quem o sucedido foi o quadro de violência mais perturbador que já viu nos seus 34 anos como agente da polícia. Ainda são desconhecidas as causas dessa atrocidade.

Na Bolívia oito pessoas morreram ontem, mas por outras causas. Na noite de Sábado ocorreu uma explosão na cidade de Oruro durante a celebração do Carnaval, provocando a morte a oito vítimas – incluindo três crianças e uma adolescente -, além de 40 feridos, conforme o departamente da polícia local. Acredita-se que o incidente aconteceu devido a um vazamento de gás.

De acordo com o subcomandante do departamento de polícia, Freddy Betancurt, o óleo quente utilizado pelo vendedor pode ter enfraquecido a mangueira plástica de um botijão. A explosão ocorreu numa rua paralela ao local onde participantes do desfile folclórico faziam sua entrada do carnaval da cidade, um dos mais importantes do país. O presidente da Bolívia, Evo Morales, lamentou a tragédia em seu perfil oficial do Twitter e disse que presta solidariedade às vítimas e suas famílias.

Na Rússia 71 pessoas tiveram morte imediata na sequência da queda de um avião da companhia russa Saratov, que partiu da zona de Moscovo. Segundo a agência russa Interfax não há sobreviventes entre os 65 passageiros e seis tripulantes. O voo interno 6W703, com destino à cidade de Orsk, nos Montes Urais, perto da fronteira com o Cazaquistão, tinha desaparecido dos radares pouco depois de descolar do aeroporto Domodedovo, em Moscovo, diz a agência Tass citando os serviços de emergência.

O avião, um Antonov com sete anos, despenhou-se na localidade de Argunovo, a cerca de 80 quilómetros de Moscovo. Os destroços já foram localizados.

C/publico.pt

(Visited 137 times, 1 visits today)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here