Cruzeiros inspira enredo na diversidade da CPLP: Grupo focado na conquista do título

676

O Cruzeiros do Norte apresentou ontem à noite o seu enredo e aproveitou para apontar o regresso às vitórias como o seu principal objectivo neste Carnaval, após cinco anos arredado do pódio. Segundo Jailson Juff, presidente do grupo por 10 anos consecutivos, reina o optimismo e alegria nos bastidores e no seio dos foliões, pelo que será possível atingir o alvo este ano. Como reconhece, no desfile passado o grupo foi bastante criticado pela sua performance, mas promete trazer mudanças e ideias novas para agradar o júri e driblar a concorrência. “Em Cabo Verde tentamos mostrar coisas diferentes, mas nem sempre tocam as pessoas. Apostamos no ano passado num enredo baseado na crítica social, mas nem todas as pessoas viram isso a partir do nosso prisma”, frisa Juff.

Para conquistar o título ostentado pelo ausente grupo Vindos do Oriente, o Cruzeiros do Norte baseou o seu enredo na irmandade da nação lusófona, com o sugestivo título “CPLP sem fronteiras ou Lusofonia sem barreiras”. O tema – desvendado numa noite cultural a centenas de foliões e representantes dos grupos oficiais e da Ligoc – foi inspirado no facto de Cabo Verde assumir a partir deste ano a presidência dessa expressiva comunidade de língua portuguesa, que abrange o Brasil, Moçambique, Portugal, São Tomé, Timor Leste, Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde. Toda esta diversidade sociocultural será expressa nos trajes dos foliões, reis e rainhas, em três ou quatro carros alegóricos e na música “Sabura sem fronteiras”, da autoria dos músicos Jotacê e Anísio Rodrigues.

O espectáculo cultural, que decorreu no miradouro sobranceiro à cidade do Mindelo, serviu para a revelação do enredo, mas também do rei, rainhas, mestre-sala, rainha da bateria, musas e do samba. Para rei, o Cruzeiros do Norte aposta no emigrante Arlindo Bandeira, residente na Islândia, ele que confessou numa mensagem em vídeo estar ansioso para ajudar o grupo a conquistar o título da realeza. Esse é também o foco da rainha Glória Cabral, emigrante na Espanha, que se mostrou radiante por estar a representar o grupo da zona onde nasceu e cresceu. “Estou ciente de que vamos fazer um excelente carnaval porque temos artistas na nossa zona”, realçou numa mensagem igualmente enviada em formato vídeo.

Zoraina Leite, filha de cabo-verdianos nascida nos Estados Unidos, é a outra aposta do Cruzeiros para a realeza. Esta será a estreia da jovem na festa do Rei Momo mindelense, pelo que confessa estar ansiosa e satisfeita pela oportunidade de fazer parte da manifestação cultural mais popular da ilha dos pais.

Andreia Gomes, mais conhecida por Pota, volta a ser a escolha do Cruzeiros do Norte para rainha da bateria. A ideia inicial do grupo era promover um concurso, mas acabou por ficar com essa passista que apresentou uma boa performance no ano passado. Tanto assim que foi vista como uma das prováveis vencedoras do concurso. Pota certamente vai usar a experiência adquirida para pegar a almejada faixa no desfile deste ano.

Valdir Gomes é o Mestre-sala, mas o nome da Porta-bandeira ficou ainda no segredo dos deuses. Conforme soube este jornal, só será revelado daqui a uma semana.

Num cenário ao ar livre, o Cruzeiros do Norte aproveitou a apresentação do enredo para homenagear Jailson Juff pelos seus 10 anos à frente do grupo. Para o efeito, fizeram uma recolha das notícias da TCV e de imagens de arquivo para mostrar o seu percurso à frente desse grémio que conseguiu ser tricampeão do Carnaval d’Soncent. Um gesto que emocionou o visado, que foi pego de surpresa.

Kim-Zé Brito

(Visited 998 times, 1 visits today)

2 COMENTÁRIOS

  1. Peço-vos por favor. Não continuam a chamar de “samba”, às músicas do carnaval de S.Vicente. S.Vicente é um Brasilim sim senhor, mas, pela descontração, alegria e mestiçagem semelhantes ao Brasil. Não pelas músicas do carnaval que são completamente originais da ilha e que vão passando por uma evolução enorme, que hoje, não devem nada a nenhum outro carnaval. Também acho que devíamos dexar de falar em sambódromo.Os desfiles de S.Vicente acontecem no “CALDEIRÃO” do Mindelo. São as minhas sugestões. A LIGOC, a comunicação social e os grupos, se quizerem, podem introduzí-las no nosso vocabulário carnavalesco.

  2. Na verdade, as músicas do carnaval de S.Vicente já são um novo género da música tradicional caboverdiana. Os músicos mindelenses, que pensem nisso porque se não fizermos por nós. se não cuidarmos daquilo que nós criamos, ninguém mais vai fazê-lo por nós.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here