Didi Pascoal – Usar a massagem como medicina alternativa e não como “expediente”

737

Adriano Pascoal, um dos pioneiros da massoterapia em São Vicente, quer a regulação da massagem terapêutica para se evitar que haja profissionais na área a trabalhar sem a devida classificação e que essa actividade não seja usada como uma “máscara” para prostituição. A sua preocupação, como explica, reside no facto de em muitos sítios, inclusive Cabo Verde, a massagem ser usada como subterfúgio para convites de âmbito sexual, o que acaba por denegrir a credibilidade dos verdadeiros profissionais.

Aparece em muitos anúncios homens e mulheres que oferecem serviços de massagem ao sexo oposto e que, pela abordagem, percebe-se que se trata de uma proposta de outro tipo de serviço”, constacta Didi, como é conhecido na cidade do Mindelo, que chama ainda atenção para outro aspecto que ele considera pernicioso: o facto de haver pessoas que se intitulam massoterapêutas, mas sem a devida qualificação.

Por estes motivos pede a regulamentação desse sector tal como acontece noutras paragens, aonde, além do curso, o profissional tem que ter diploma e determinadas autorizações para exercer a actividade. Autorizações idênticas às que exibe na parede do seu consultório, as quais permitem-lhe trabalhar, por exemplo, nos Estados Unidos, onde se formou.

Com consultório montado em S. Vicente, esse ex-emigrante tem se destacado na sua ilha natal pela sua capacidade em diagnosticar lesões através do toque e pelo rápido tratamento, usando essencialmente as mãos. Os seus clientes são atletas, pessoas que sofrem lesões musculares e turistas que visitam a cidade do Mindelo.

Desde que começou a ter sucesso recebeu várias propostas para se instalar noutras ilhas onde há uma maior procura. No entanto, prefere ficar em São Vicente já que, para ele, chegou a hora de regressar à casa, depois de ter passado 20 anos na emigração. Uma aposta que o faz receber no Mindelo clientes de várias partes do mundo que procuram um tratamento alternativo à medicina convencional. No seu processo utiliza essencialmente as mãos, um ativador e óleos naturais.

Eu sei o que posso fazer para cada lesão, mas também sei os meus limites. Há casos em que ajudo a curar pacientes que já tentaram todos os tipos de ajuda pela medicina convencional, mas também há casos em que aconselho os pacientes a procurarem ajuda médica porque sei que umas secções de massagem podem até ajudar, mas não solucionam os problemas”, admite Pascoal. Por isso, adverte, a massoterapia exige mais do que uma pequena formação, já que algumas lesões podem ser pioradas se não receberem o tratamento adequado.

Nascido na terra do Monte Cara, Didi emigrou com a família para o Canadá, mas sempre alimentou a esperança de um dia voltar à casa. Vinte anos depois percebeu como poderia ajudar o seu povo, “fez a mala” e regressou a Cabo Verde.

Como conta, descobriu a profissão de terapia através da massagem depois de sofrer um acidente de viação. Afirma que a medicina convencional não conseguia solucionar as dores que sofria e que conseguiu a cura após fazer um tratamento alternativo de massoterapia e de quiropraxia.

Motivado, deslocou-se do Canadá para os Estados Unidos para fazer um curso, equivalente a uma licenciatura, que juntava as duas ciências. Ao mesmo tempo que estudava, Didi trabalhava e mesmo assim conseguiu se destacar na turma pela sua rápida adaptação ao curso e pelas notas altas.

Sidneia Newton (Estagiária)

(Visited 1.088 times, 1 visits today)

1 COMENTÁRIO

  1. Acho bem lutar pela regulamentação e exigir qualificações para tal porque hoje em dia qualquer um diz terapêutica semter noção do que fala força aí…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here