Estágio de Jiujitsu no Mindelo com prof. Sérgio Vita: Lançar as bases para futuros cintos negros

406

Alunos da escola de arte marcial Icon Jiujitsu do Mindelo enfrentaram uma semana de estágio com o sensei brasileiro Sérgio Vita, que serviu para cimentarem as suas técnicas de base nesse desporto de combate. Segundo Vita, são ainda faixa branca mas aprenderam novas técnicas e consolidaram às que já sabiam no decurso do treino, que teve níveis diferentes de intensidade.

“Trabalhamos a doer nessa semana, mas tive que dosear a intensidade porque é difícil treinar todos os dias no máximo”, explica o cinto negro de Jiujitsu, que levou em consideração o nível dos participantes, que são na sua maioria desportistas com poucos meses de prática. Por esta razão, o professor Vita, que veio de Portugal acompanhado de um aluno cabo-verdiano, incidiu a sua atenção nos fundamentos básicos para que possam apreender o espírito dessa arte marcial praticada em todo o mundo.

“O processo de aprendizagem depende da capacidade de cada um. Há quem tenha um vocabulário motor mais desenvolvido que o colega e aprende rapidamente os movimentos. Costumo dizer, no entanto, que a persistência é que leva à perfeição. Eu mesmo sou um persistente porque treinei bastante para poder aprender e encarar outros competidores, até porque nunca fui um cara forte fisicamente”, salienta Vita, que já entrou várias vezes no tatami, mas que agora está a usar essa arte marcial como ferramenta de educação. O seu plano é ajudar as pessoas a mudar o seu estilo de vida e melhorar o seu comportamento social através da aprendizagem do Jiujitsu.

Em S. Vicente, a ideia subjacente à abertura da escola Icon Jiujitsu do Mindelo é lançar a semente para o crescimento desse desporto na ilha do Porto Grande. A iniciativa juntou o instrutor Nuno Mões e o professor Sérgio Vita, que se conheceram em Portugal e decidiram dar esse passo. Assim, no passado mês de Agosto, segundo Mões, ele e o professor montaram o tapete de treino da escola, que funciona no piso superior da Farmácia do Leão, na Rua de Lisboa. “O professor veio de propósito para montarmos o tapete e plantarmos dessa forma a semente, que já está a germinar”, realça Nuno Mões, instrutor que tem estado a trabalhar com dez alunos, mediante uma planificação enviada pelo professor Vita.

Nestes meses, segundo Mões, a comparência dos alunos nos treinos varia, mas é certo que alguns já começam a ganhar destreza, tanto assim que poderão mesmo fazer o primeiro exame ainda este ano, com a autorização do professor Sérgio Vita. Como diz, o cabo-verdiano tem aptidão natural para o desporto e esse facto está a evidenciar-se também no Jiu-Jitsu. “É aquela genética física natural e, além disso, as pessoas gostam de dar pegadas. O Jiu-Jitsu é muito complexo, tem uma infinidade de golpes, por isso temos de ser persistentes”, realça Nuno Mões, que se mostra satisfeito com a evolução dos alunos.

O plano de Mões e Vita é lançar as bases e formar cintos negros em S. Vicente. Para o efeito, Vita virá duas vezes por ano à cidade do Mindelo para avaliar o nível dos alunos. A ideia é promover camping regulares que irão conciliar o trabalho e a diversão, neste caso o Jiujitsu e o Surf. Porém, o grande plano é criar uma associação dessa arte marcial em S. Vicente e promover campeonatos.

KzB

(Visited 708 times, 1 visits today)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here