Festival Baía das Gatas sem cabeça de cartaz

3015

O presidente da Câmara Municipal de São Vicente acaba de divulgar os nomes dos artistas e grupos que vão actuar na 33ª edição do Festival de Música da Baía das Gatas. Orçado em cerca de 15 mil contos, este ano o espectáculo não terá cabeça de cartaz, segundo o edil Augusto Neves. “Estamos a apresentar um conjunto equilibrado de artistas com nomes conceituados, o que torna difícil aqui dizer quem é o cabeça de cartaz”, refere o autarca.

O Festival da Baía das Gatas vai homenagear a “Juventude Mindelense” e pretende destacar-se este ano pela qualidade organizativa, melhores condições logísticas, grandes grupos e som irrepreensível, a cargo de Jorge Nunes. A abertura acontece na Sexta-feira, 11, a partir das 21 horas, com a cantora portuguesa Mariza (fado). Segue um “Encontro de Vozes” com participação de intérpretes de renome, caso de Titina, Maria Alice, Ana Firmino, Dudu Araújo, João Eugénio, Jorge Sousa, entre outros, acompanhados por uma banda local integrada pelo guitarrista Armando Tito. No primeiro dia, o cartaz apresenta ainda Badoxa (Angola) e Joelma (Brasil).

No Sábado, a animação começa por volta das 19h30 com DJ’s locais. Mais tarde o palco será de Anselmo Ralph (Angola). Depois chega o Carnaval com o sambista brasileiro Dudú Nobre e as vozes da ilha que cantam a festa do Rei Momo como Constantino Cardoso e Anísio Rodrigues. Djodje, artista que dispensa apresentações, e o grupo de reggae Alborosie fecham a noite.

No Domingo, a animação no palco arranca mais cedo, por volta das 15 horas, com Hip Hop de São Vicente, Novas Vozes com Odailine Tavares, Khaly Angel, Josimar Gonçalves, Sílvia Medina e Dino de Santiago, acompanhados por uma banda local. Tempo ainda para ouvir Élida Almeida, Ferro Gaita, Calema e Naldo Benny (Brasil).

“Esperamos ter apresentado um excelente cartaz à população sanvicentina, cabo-verdiana, à nossa diáspora e aos turistas que nos visitam. Hoje o festival é cada vez mais exigente. Há muito que estamos a trabalhar para apresentar este produto. Esperamos que, à semelhança dos anos anteriores, seja um grande evento, que traga mais gentes a São Vicente e, com isso, dar mais uma força à economia desta ilha”, antevê Augusto Neves, reafirmando a importância económica do festival para São Vicente.

Até o arranque do show o Município vai fazer melhorias no palco e arranjos em todo o espaço da Baía das Gatas, graças aos apoios e patrocínios. Quanto à transmissão televisiva, diz Augusto Neves ainda não há nada garantido porque há contratos especiais com os artistas. “Vamos negociar”, finaliza.

Constânça Pina

(Visited 3.564 times, 1 visits today)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here