Jailson Oliveira vence ultramaratona da Boa Vista com diferença de cinco horas do segundo classificado

13

O atleta mindelense Jailson Manuel Duarte Oliveira, 36 anos, venceu a edição 2019 da ultramaratona internacional Boa Vista Ultratrail “150 km non Stop” com o segundo melhor tempo de sempre,18h13 minutos. Jailson, que antes enfrentou uma “maratona” de viagens de barco até chegar à ilha das dunas, cruzou a meta cinco horas antes do segundo classificado. Por pouco não bateu o recorde da prova, que pertence a um ultramaratonista de nacionalidade espanhola que fez o percurso no tempo de 18 e 8 minutos. 

Ao Mindelinsite, Jailson Oliveira contou que começou a correr às 7 horas da manhã e cortou a meta por volta de uma hora da madrugada. “Foi uma corrida ‘non stop’ extremamente dura porque o percurso é quase todo por dunas de areia. É também uma prova de semi-autonomia, ou seja, cada corredor tem a responsabilidade de fazer a sua orientação e carregar nas costas a sua comida, tendo em conta que nos postos de controlo fornecem apenas água. Por causa disso, a corrida acaba por ser mais difícil porque somos obrigados a correr com peso nas costas.” 

Jailson preparando-se para iniciar uma maratona de barco para chegar à ilha da Boa Vista

Obstáculo rapidamente ultrapassado por este atleta de 36 anos, que no ano passado tinha tentado a sua sorte nesta prova, mas perdeu-se pelo caminho entre as dunas de areia. “No ano passado participei pela primeira vez na ultramaratona e, até os 120 km, estava na frente. Mas perdi-me perto de um dos últimos postos de controlo, entre as dunas de areia. Por isso resolvi voltar este ano de novo e, felizmente, consegui cruzar a meta 18h13mn depois. Fiquei a cinco minutos de bater o recorde da prova.”

O feito é ainda mais relevante porque Jailson não é corredor profissional. Diz que tinha feito algumas corridas em São Vicente, mas nunca em competições no mundo do atletismo. Entretanto, a partir de 2015, viajou para Portugal e começou a fazer trail, que é uma corrida diferente porque não é feito na estrada, mas sim em montanhas e na areia.  “Foi muito importante participar nesta prova porque, como não sou conhecido, dificilmente consigo um patrocínio. Aliás, a minha presença só foi possível porque consegui apoio de um grupo de amigos de corrida em S. Vicente, denominado Mindelnight, que financiaram a passagem de barco”, revela.

O que poderia ser uma viagem normal, acabou, no entanto, por se transformar numa “maratona”. Isto porque Jailson saiu de S. Vicente na quinta-feira, passou por Santo Antão, São Nicolau, Sal e Boa Vista.  “Foi uma viagem longa, com varias paragens. O mais complicado é que nos portos de escala as pessoas não podem descer, nem para esticar as pernas, o que aumenta os níveis de estresse. Acabei por chegar à ilha da Boa Vista cansado, fisico e mentalmente. Mas isso não me desanimou. Muito pelo contrario, deu-e mais ânimo para vencer.”

A falta de apoios também acaba por condicionar o próprio treino deste atleta, tendo em conta que, afirma, não tem recursos para comprar os suplementos que precisa, mesmo durante os treinos, e nem para comprar os equipamentos necessários, que não são baratos.  

Jailson correu com cerca de meia centena de atletas nos 42, 75 e 150 quilómetros, sendo que esta última contou ainda com a participação do internacional José Daniel Cabral. Este acabou por desistir. Em segundo lugar ficou o italiano Kadija Tigers com o tempo de 23h44 e, em terceiro, Corrado Buzzolan, com 25h30. No feminino, as vencedoras, nos 150 km, foram Francesca Billi e Mattea Gracia. As duas cruzaram a meta com o tempo de 31h08mn.

A prova, refira-se, é organizada pela Associação Ultramaratona da Boa Vista, liderada pelo italiano Pierre Scaramelli, que acumula as funções de seleccionador de Cabo Verde desta disciplina, e pela associação italiana da modalidade. A competição insere-se no plano de actividade da categoria “no-limit”.


Constânça de Pina

1 COMENTÁRIO

  1. Muitos parabéns!
    Com essa diferença a notícia deveria ser mais para “detonar” do que vencer.

    Rapazis di ilhas di montanhas, santanton, fogu, brava e mass pa interior di santiagu, tudu rei di bom na corrida e muka besta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here