Marcha por Giovani dos Santos: Mindelenses “gritam” em silêncio por justiça e dignidade

3153

Perto de mil pessoas, na sua maioria jovens e estudantes universitários, participaram na tarde de hoje numa marcha pacífica na cidade do Mindelo para pedir justiça para Giovani dos Santos e mais dignidade para com Cabo Verde. Foi uma caminhada silenciosa, mas no rosto dos presentes era visível a tristeza, e também alguma revolta, sobretudo por parte dos jovens que se revêm neste estudante de 21 anos, aluno do Instituto Politécnico de Bragança, que morreu 10 dias depois de ser brutalmente espancado no Hospital de Santo António, no Porto, onde se encontrava internado. 

A marcha partiu da Praça Dom Luís e passou pelas ruas de Lisboa e Baltazar Lopes da Silva, Praça Nova, Avenida 05 de Julho e terminou no mesmo espaço onde iniciou, onde o líder do movimento Sokols fez um curto pronunciamento, explicando as motivações da mesma. “Estivemos aqui para mostrar a nossa indignação perante este acto covarde, terrível, bárbaro, sem adjectivo possível para o classificar, onde morreu um jovem espancado, mas a resposta das autoridades, a começar por Cabo Verde, nossa terra, foi tardia. Estamos a exigir de todos que sejam mais céleres a tratar desta e qualquer outra situação do género que venha a acontecer”, pediu Salvador Mascarenhas.

Para o Governo de Cabo Verde, este activista exigiu uma postura de mais dignidade. “Somos pobres, mas somos dignos. Não podemos aceitar este tipo de coisas. Portugal e Cabo Verde são um povo irmão. Ninguém duvida. O problema é basicamente a nível das autoridades. Temos de ter uma relação de dignidade e de respeito mútuo. Isto é importante”, pontuou Mascarenhas, que aproveitou para lembrar o calvário dos nacionais para obter um simples visto para Portugal. 

Rostos jovens

No entanto, o momento era para Giovani e todos aqueles que já sofreram alguma agressão sem qualquer motivo, afirmou Mascarenhas, para quem situações do género já não podiam estar a acontecer, pelo que promete continuar a lutar para combater este mal. Mas, para isso, diz, é preciso uma atitude firme por parte das autoridades. “Ao manifestar a nossa cidadania activa, estamos aqui a mostrar que a sociedade está alerta. E, nós, enquanto Sokols, vamos servir sempre de amplificador das ansiedades da população. Vamos estar aqui de pedra e gritar para e pelo povo.”

Todos os presentes mostravam-se solidários e indignados com o que aconteceu com este jovem e, principalmente, com a forma como foi encarado pelas autoridades e a imprensa portuguesa. É o caso, por exemplo, de duas universitárias com quem Mindelinsite conversou. “Estou aqui porque o que aconteceu com Giovani podia acontecer com qualquer uma de nós. Tenho 20 anos e sou universitária em Cabo Verde. Como estudante sinto-me triste porque Giovani foi para Portugal com um sonho, que não conseguiu concretizar por causa desta tragédia, diz Natícia. 

Na mesma mesma linha, Lenísia Fonseca, 21 anos, diz-se revoltada e indignada com o que aconteceu com o jovem foguense. “Eu e o Giovani temos a mesma idade. Queremos apenas justiça para que a tragédia não se repita, até porque estão muitos outros jovens lá fora a estudar.”

Constânça de Pina

4 COMENTÁRIOS

  1. Ôi Manel Badid!
    Se estás interessado em dizer alguma coisa, explica-te.
    Outra coisa: Não é “a quando”. É “aquando” – uma palavra só.

  2. Desculpa Manel Bandid.
    Tens a tua parte de razão na tua chamada de atenção, só que à primeira e por alguma precipitação da minha parte, me pareceu que a tua ideia era somente criticar o jornal mindelinsite, quando a critica é para toda a sociedade caboverdeana (reagi antes de clicar o link que indicaste).
    Alguém já falou em histeria.
    É claro que todos ficamos tristes com a morte do Geovani.
    Mas pergunta-se:
    E sobre essa jovem da foto no link?
    E sobre os homicídios que acontecem diariamente em Santiago?
    E sobre crianças de Santiago desaparecidas até a data de hoje? (o que é pior, porque nstes casos nem sequer se conhece o desfecho pelo que se consegue imaginar o sofrimento diário dos pais dessas crianças).
    Porém, acho que essa reação não tem propiamente a ver somente com a morte do Giovani mas principalmente, com a sua presumível causa, isto é, com a possibilidade de ser um acto de racismo, o que neste caso, trata-se dum grave problema humano a ter de ser combatido por todos e e em todo o mundo.
    Resta saber se a tese do racismo se confirma ou não!

  3. [E sobre crianças de Santiago desaparecidas até a data de hoje? (o que é pior, porque nstes casos nem sequer se conhece o desfecho pelo que se consegue imaginar o sofrimento diário dos pais dessas crianças).] fim citação.

    Para o COMENTARISTA DESCULPAS. Parafraseando Joseph Stalin, o Pai da nossa Revolução, “a morte de um jovem é uma tragédia mas os assassinatos e desaparecimento de crianças, o sofrimento diário dos pais dessas crianças e dos seus familiares” é um detalhe na História.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here