Samba Tropical exalta obra de Cesária Évora num desfile luxuoso

548

O Samba Tropical apresentou na noite desta Segunda-feira um desfile luxuoso e colorido que arrancou aplausos do público que lotou as artérias da cidade e as bancadas fixadas ao longo das ruas do Mindelo. Com um enredo que exaltava a obra de Césária Évora, que completa 30 anos de carreira internacional, o grupo de David Leite trouxe Cise a Mindelo, retratando a sua simplicidade, sua árdua história de vida e a sua passagem gloriosa pelos palcos do mundo.

O desfile que começou pouco mais das 21h30 e terminou quase à 1h00 da madrugada envolveu 1030 foliões, que sambaram no “Tchon Sagród” de Cise num desfile surpreendente e bastante intenso. O colorido, a sofisticação dos trajes, o samba no pé e o sorriso dos integrantes vieram mostrar que o grande investimento neste enredo foi mais uma aposta ganha. O desfile foi vivido com intensidade pelo público, com aplausos e gritos de euforia, e fez jus à fama do Samba Tropical como um dos maiores grupos carnavalescos de Mindelo.

Um dos foliões que mais se destacou foi Janete Évora, neta de Cise, que teve a responsabilidade de carregar a bandeira do Grupo Samba Tropical. Também estiveram presentes companheiros de palco e artistas amigos de Cesária Évora, casos de Fantcha, Teófilo Chantre, Naná, Nando Cruz e o francês Martin Rose, entre outros músicos que se deslocaram à Mindelo propositadamente para este tributo. No entanto, um momento emocionante foi a homenagem que a escola de samba fez ao maestro Mick Lima pelo grande contributo que esse músico deu ao desenvolvimento da batucada em S. Vicente. O grupo apresentou uma lona com um desenho fantástico do percussionista mindelense, que está em tratamento em Portugal, que foi depois ofertada a Nany Vera-Cruz, esposa de Mick Lima. Ela que foi surpreendida com a homenagem e se desfez em lágrimas de emoção ao ver tamanho gesto da janela da sua boutique na avenida Baltasar Lopes da Silva.

Os dois carros alegóricos apresentados pelo Samba também cumpriram o propósito de retratar as várias fazes de Cise. O primeiro, por exemplo, simbolizava o palco onde Cesária Évora fez a sua história no mundo da música; o segundo fazia menção à Morna, género musical com o qual a estrela cabo-verdiana conquistou o mundo. A anteceder o primeiro carro alegórico estava a comissão de frente que em movimentos sincronizados teatralizavam a vida boémica que também fez parte da trajectória desta que foi a maior embaixadora de Cabo Verde além-fronteira.

Mais uma vez o Samba Tropical levou um um espectáculo exuberante, para as ruas de Mindelo. Entretanto, o desfile foi marcado por algumas falhas de som, que obrigaram o grupo a fazer uma pequena paragem, mas que de forma alguma tirou o brilho à noite.

Carina David

(Visited 656 times, 1 visits today)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here