Tartaruga na Lajinha entregue aos mindelenses: DG da Economia Marítima garante apoio para novos projectos

320

A tartaruga gigante de cimento construída por Ró e seus companheiros do ateliê Interart em São Vicente na praia da Lajinha foi ontem oficialmente inaugurada. Na ocasião, Ró deixou claro que tem mais projectos em carteira para continuar a embelezar São Vicente e Cabo Verde. Já o director-geral da Economia Marítima, Malik Lopes, garantiu que o ministério continuará a apoiar tudo o que que é transversal à preservação marinha.

A tartaruga da espécie careta-careta, diz Ró, surgiu de uma parceria entre o ateliê deste artista plástico, empresas sediadas em São Vicente, entre os quais a Enapor, Matec, Moave, Vivo Energy, SEFI, Oásis Atlântico e o Ministério da Economia Marítima. Está fixada na zona sul da praia da Lajinha, precisamente onde antes esta espécie fazia a sua nidificação.

“Todos nós que frequentamos esta praia já vimos esta espécie na Lajinha. Fiz esta obra para homenagear a careta-careta, mas tenho muito mais para fazer. É uma alegria enorme. Todos nós somos ambientalistas. Temos de lutar por nossa biodiversidade e proteger os nossos mares”, disse Ró, aproveitando para agradecer todos os colaboradores que contribuíram para a concretização da obra e lançar um repto no sentido de a protegerem.

“Esta tartaruga hoje está muito bonita. Vamos tentar preservá-la. As pessoas têm nos dito para cercar a obra. Não vamos fazer isso. Vamos apenas colocar uma placa a pedir para não subirem na tartaruga. Da mesma forma que protegemos as que estão no mar, vamos proteger esta na terra”, desafiou este artista, que diz lembrar ainda o tempo em que se montava tendas para guardar os ovos das tartarugas que vinham nidificar na Lajinha, o que hoje já não acontece por causa das luzes e da areia sedimentada. “Mas ainda vemos com frequência pelo menos três tartarugas por estes lados”.

Para o DG da Economia Marítima, Malik Lopes, um dos objectivos do seu ministério é a sustentabilidade ambiental pelo que vão apoiar todos os projectos que surgirem neste sentido. “Incentivamos que apareçam novos projectos para podermos dar o devido apoio e assim concretizarmos aquilo que é a protecção das espécies marinha”, afirmou Malik Lopes. Este realçou que a mensagem é de preservação e de saber cuidar das espécies, principalmente as ameaçadas ou em vias de extinção.

Quanto à esta obra de arte, Lopes defender que é para lembrar as pessoas de que é preciso proteger estas espécies. “Para além disso, embeleza a praia da Lajinha e conta para a responsabilização e educação ambiental para todos, principalmente para as nossas crianças”, acrescentou.

Constânça de Pina

(Visited 519 times, 1 visits today)

1 COMENTÁRIO

  1. Ao artista Ró d`interart os meus parabéns pela iniciativa e nível de consciência ambiental.
    Quanto ao DG da Economia marítima, pergunto o que tem feito de concreto para a manutenção da biodiversidade na praia da laginha. Porque os crimes ambientais que ali se tem cometido falam por si. É preciso ter autoridade moral e inteligência ecológica para apelar para a preservação da biodiversidade.E, isso só é possível com atitudes concretas e não com discursos ocos, previsíveis e caducos. Mais ação p.f. Porque de hipocrisia e blá, blá, blás já andamos fartos. Que as entidades do Estado invistam na preservação das tartarugas de cimento em terra já que deixam morrer as tartarugas reais no mar.Tanta incoerência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here