Vamos à Luta

156

Por Carlos Lopes

Escutar os trabalhos da Assembleia Nacional Cabo-Verdiana é uma forma vivida de conhecer o nível dos eleitos através das listas partidárias. Ainda vamos a tempo de fazer com que os eleitos nos respeitem e façam a revisão constitucional necessária. Com destaque para os dois partidos do arco da governação que juntos, e querendo, conseguirão fazer a diferença, a bem da Nação e das populações espalhadas pelos recantos das 9 ilhas habitadas.

Se os eleitores nacionais quiserem fazer a diferença, tanto a nível da Justiça como a outros níveis nevrálgicos da governação de Cabo Verde, terão que entender que o sistema está montado de forma que só e apenas os votos nas autárquicas, nas Legislativas e Presidenciais não serão suficientes para travar a corrupção politico-partidária nacional. Para que todos sintam a diferença almejada, teremos que procurar outras formas de luta popular. Só votar já não é solução. O povo tem que sair às ruas, sem medo das autoridades e fazer a sua própria justiça social.

Só com uma total revolução popular o povo será capaz de assegurar as reformas constitucionais em debate nas esquinas e entre as paredes privadas. Para que esse investimento popular seja sustentável, a ponto de garantir as mesmas oportunidades a todos, será necessário, urgentemente, resolvermos os pendentes com o grupo que já se apoderou do país e não pretende abrir mão desse abuso politico-partidário.

Os problemas pontuais, como a evacuação dos doentes (dia e noite), a melhoria dos transportes marítimos e aéreos inter-ilhas, água para produção alimentar, urbanismo e saneamento precisam ser debatidos com maior frequência, em palcos públicos, de forma a galvanizar as bases que precisam desinibir-se e sair à luta. Como já está mais que patente, existem dezenas de possíveis soluções sócio-económicos nacionais que não podem continuar a ser adiados pelo grupo de políticos colocados nos poleiros institucionais para proteger o sistema por eles criado. Todos juntos, somos obrigados a ter criatividade e encontrar soluções para as crises sociais existentes no país.

Os políticos não estão interessados em solucionar os problemas de Cabo Verde. Só estão interessados no seu bem-estar pessoal, familiar e partidário. Acordemos compatriotas! Já chega de esperar por esses que assaltaram as instituições nacionais, como invasores autoritários. Todos juntos, precisamos sentir o sabor e o prazer de um sólido desenvolvimento nacional. Não apenas para algumas ilhas e seus promotores interesseiros.

A prioridade de todos nós deve passar pela capacidade populacional de trabalhar para que juntos alcancemos o patamar dos países onde os investimentos são abrangentes a toda a esfera da sociedade cabo-verdiana.
Só com a união populacional, a sociedade será capaz de se livrar das amarras desses impostores vestidos de mensageiros de Cristo. O povo precisa acordar e reparar que esses impostores não são e nunca serão a proclamada âncora da alma cabo-verdiana. Só um povo consciente e unido será capaz de retirar as vendas a essa insensatez governamental nacional.

É preciso ter em conta que, na maioria das vezes, o que imaginamos não é a realidade e que existem manobras obscuras que só são reveladas com o fim da caminhada. Um fim que na maioria das vezes é precisamente o indesejável para qualquer um de nós. Pois, como bem conhecemos, muitos dos que sobem ao poder acabam por surpreender familiares e amigos, sem referirmos à maioria desconhecida.

Meus caros seguidores, não podemos jamais ignorar e aceitar as mesma casmurrices e ou arrogâncias do grupo eleito para proteger o bem-estar da nação e do seu povo constituinte. Temos que ser mais exigentes e esperar resultados diferentes desses que já nos comprovaram ser incompetentes e insensíveis.

Como diz o velho ditado: a certo ponto da batalha somos obrigados a bombardear os inimigos e abrir caminho para a vitória social. Se nada fizermos agora, eles continuarão abusando, indevidamente, do poder político e destruirão as nossas vidas e as vidas dos nossos filhos, netos e bisnetos. Se isso continuar só nos restará o resto das aparas!

A Voz do Povo Sofredor
 

(Visited 268 times, 1 visits today)

1 COMENTÁRIO

  1. Lá onde estiveres, desejo-te saúde e muita força para continuares a luta do povo de Cabo Verde!
    Admiro a tua coragem, frontalidade e capacidade de trabalho, sendo certo que por vezes, és um pouco excessivo na linguagem. De facto, as coisas não podem continuar como estão. Mas, como tenho afirmado várias vezes, para corrigir o rumo, só é possível com uma forte intervenção da sociedade civil para fazer com que as coisas funcionem. Há coisas que podemos ir fazendo sem esperar por revisões constitucionais e que são muito importantes. Por exemplo: não deixar morrer a luta do Amadeu Oliveira por mais e melhor Justiça, esse pilar fundamental da democracia. Obs: Tem interesse ler o artigo de opinião em que se exprime sérias preocupações sobre a gestão do país neste jornal online: mindelinsite.cv/o-pais-não-pode-ser-governado-desta-maneira/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here