Wesly Rosa, 2,05 metros de altura: O adolescente que tenta ser um “gigante” no Taekwondo

3659

Wesly Monteiro Rosa, um adolescente de 14 anos de idade, carrega em si uma história de superação. Com 2,05 metros de altura, escolheu o Taekwondo para driblar os problemas de autoconfiança em parte derivados do bullying que sofria por causa do seu tamanho, e hoje, para sua satisfação, é visto pelo seu treinador como uma promessa na modalidade. Apesar de iniciante, treina com atletas mais velhos e experientes porque, reconhece, é difícil encontrar um colega do seu escalão e idade literalmente à sua altura.

Por enquanto, controlar os seus movimentos é um dos seus principais desafios. Devido ao seu tamanho, enfrenta dificuldades no tatami, por causa da exiguidade do espaço, mas também por ainda não ter atingido uma excelente coordenação motora e velocidade no jogo de pernas. No entanto, possui a vantagem de poder atacar os adversários a uma grande distância e coloca-los longe do seu alcance. Graças às suas longas pernas e alguma elasticidade, tem mais facilidade em fazer pontos atacando os oponentes no lado superior do corpo.

A sua timidez e o facto de passar o tempo todo em frente ao computador fez com que a mãe o incentivasse a praticar desporto. O Taekwondo foi a solução. Uma escolha “natural” já que tem como referência em casa a irmã Enely Ashely Neves, que já foi tricampeã nacional dessa arte marcial. Esse facto e a relação que tem com a irmã acabaram por o inspirar e incentivar.

Quando Wesly iniciou os treinos em S. Vicente, ilha onde reside, o professor Admilson Monteiro viu logo nele uma certa timidez. Para ele, esse “acanhamento” estava relacionado com os problemas de integração social que enfrentou devido ao tamanho “anormal” para a sua idade. O objectivo inicial era trabalhar o lado emocional do adolescente, ajuda-lo a ganhar confiança e facilitar a sua integração social. Mas, com o tempo, o treinador percebeu o seu potencial para o Taekwondo. “Neste momento é um dos melhores atletas que temos, não por causa da qualidade que alcançou neste um ano de treino, mas pela sua entrega. Tem demostrado interesse em trabalhar, quer sempre assumir desafios, fazer mais, e acredito que com o tempo venha a ser um dos melhores em termos de qualidade técnica”, afirma o treinador com convicção.

Para Monteiro, a evolução da personalidade do atleta tem sido notória. Graça aos treinos, diz, Wesley mudou a sua atitude e passou a encarar os colegas em pé de igualdade. Segundo esse professor, o atleta mudou de tal forma a sua postura que começa a ser “cobiçado” por treinadores de outras modalidades. No entanto, ele tem declinado os convites dado ao seu carácter. “Ele pensa que ir praticar outro desporto é uma traição para connosco, que o acolheu. Tenho tentado mostrar-lhe que experimentar outras modalidades pode até ser interessante para o seu desenvolvimento, até porque temos atletas de Taekwondo que praticam outros tipos de deporto”, salienta.

Há muito trabalho a ser feito ainda com o atleta e Adilson Monteiro não acredita que ele iria enquadrar-se melhor noutro tipo de desporto. “Ele pode praticar qualquer modalidade. O sucesso vai depender dele, mas também de quem esteja a trabalhar com ele.

Wesly participou este ano no campeonato nacional de Taekwondo e, explica o seu treinador, o intuito era mostrar-lhe o nível dos artistas marciais da sua idade. “Essa experiência permitiu-lhe mudar a sua perspetiva e evoluir ainda mais, mesmo não tendo ganho nenhum combate”, revela Monteiro, que perspetiva um “futuro glorioso” para o adolescente. Como diz, ele tem treinado com os melhores atletas nacionais e no futuro poderá também competir em provas internacionais.

Wesly Monteiro Rosa estuda o 9º ano do ensino secundário e a sua altura o tem levado a aceitar a sua idade. Sua mãe Nelly Monteiro, costureira de profissão, diz que ele usa roupas de adultos, que ela é obrigada a adaptar. Além disso, acrescenta, os sapatos do miúdo têm que ser encomendados porque calça o número 51.

Sidneia Newton (Estagiária)

(Visited 6.848 times, 1 visits today)

3 COMENTÁRIOS

  1. Mas, Deus do céu, como é que se pode escrever um artigo relativamente extenso e bem escrito sem mencionar de onde é este jovem? De que ilha? Ou de que país???!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here